• VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENVIAR
  • A+ A-
ONS emite Certificado de Aceitação Final do Reger

Notícias

ONS emite Certificado de Aceitação Final do Reger

26-12-2016

O Projeto Reger – Rede de Gerenciamento de Energia – recebeu do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) o Certificado de Aceitação Final da Fase 2, concluída pelo Cepel no dia 30 de novembro. A certificação é o marco final do contrato e oficializa a aceitação técnica, por parte do Operador, de centenas de recursos do novo sistema – recursos estes que trazem significativas inovações tanto do ponto de vista funcional quanto de desempenho, estabilidade e segurança eletrônica.


O Reger é um projeto de grande porte e soluções tecnológicas inéditas, desenvolvido para o ONS, por um consórcio formado pelo Cepel e pela Siemens, para dar suporte à operação em tempo real do Sistema Interligado Nacional (SIN). A arquitetura funcional proposta corresponde a um sistema SCADA/EMS virtual, formado por um conjunto fortemente integrado, mas geograficamente distribuído, de cinco centros de supervisão e controle localizados dois em Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), Florianópolis (SC) e Recife (PE).

 

 

A Diretoria do Cepel – através do seu diretor-geral Albert Melo e do diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, Roberto Caldas – parabeniza a equipe desenvolvedora do REGER pela excelência dos resultados alcançados. “Um projeto como o Reger demonstra a capacidade técnica do Cepel e o comprometimento com prazos e qualidade. [...] A consultoria internacional contratada pelo ONS elaborou a especificação técnica do sistema com o que há de melhor nos centros de controle do mundo e fez uma proposta única. O desafio foi atender ao conjunto de especificações de cada um dos módulos do sistema SCADA/EMS. [...] Conseguimos ganhar a proposta na etapa de qualificação técnica e cumprimos os prazos”, destaca Melo.


Sobre a incorporação das novas funcionalidades do Reger ao produto Sage, o diretor-geral assinala: “A base do Reger é o Sage, e tudo que foi implementado no Reger já está incorporado no Sage. Então, de uma forma automática, temos a incorporação destes avanços nas instalações do Sage em todas as empresas Eletrobras e, naquilo que é pertinente, nas mais de 600 instalações existentes no país. Todo este acervo e domínio tecnológico estão incorporados. É um salto enorme. Nossos parabéns à equipe desenvolvedora”, finaliza.


Ciclos do projeto


De acordo com o pesquisador do Departamento de Automação de Sistemas (DAS) Ayru Leal, gerente do Reger, o projeto prevê três ciclos de desenvolvimento em um horizonte de pelo menos 15 anos, e a conclusão da fase 2 encerra o primeiro ciclo de contratação do Consórcio pelo ONS.


“Nesta fase - ressalta o chefe do DAS, pesquisador Raul Sollero - muitas inovações foram incorporadas, tais como a habilitação do Sage às modernas arquiteturas de Software Orientadas a Serviço (SOA), operacionalização de aplicações de medições fasoriais e novas aplicações de simulação de redes elétricas  em tempo real para incremento da segurança sistêmica."


A respeito das etapas seguintes do projeto, Ayru Leal pontua: “Em 2017, deverão ter início os estudos para definição de novas funcionalidades a serem implantadas no segundo ciclo do projeto. Para o biênio 2017-2018, o ONS já solicitou ao Consórcio a revisão da infraestrutura computacional do Reger, que passará a ser totalmente virtualizada, sendo esta mais uma inovação em sistemas críticos do porte do Reger.”


Segundo o pesquisador, novas funcionalidades também serão implementadas no próximo biênio como parte da política evergreen exigida pelo projeto. “O termo evergreen – elucida o pesquisador – é utilizado para caracterizar um sistema em constante renovação. Esta é uma filosofia adotada no desenvolvimento do Sage e foi um dos requisitos do projeto Reger”.



O desenvolvimento do projeto envolve uma grande equipe. Do DAS, além de Ayru Leal, participam os pesquisadores: Alexandre Lages; Bruno Fonseca; Juli Huang; Juliana Timbó; Luis Renato Silva; Luiz Cordeiro Pereira; Luiz Correa Lima; Marcelo Rosado; Maria de Fátima Pereira; Maria de Jesus Azevedo; Paulo Stein; Pedro Zarur; Philadelpho Azevedo Neto; Rafael Gomes; Ricardo Linden; e Ruy Brito. Pela Eletrobras, participa Carlos Eduardo Greco, e pela PUC-Rio, Carlos Eduardo Iencarelli; Edgard Ribeiro; Marcelo Ghelman; e Nivaldo Lambert.


Os departamentos de Otimização Energética e Meio Ambiente (DEA) e de Redes Elétricas (DRE) do Cepel colaboraram para implementação do projeto por meio do desenvolvimento ou aprimoramento de softwares utilizados no Reger.

 

 

Histórico do projeto


O contrato para desenvolvimento do Reger foi assinado em 2009, por consórcio formado pelo Cepel e pela Siemens, vencedor de uma licitação internacional promovida pelo ONS.


A entrada do Reger nos centros de operação do ONS ocorreu ao longo de 2013. O Centro Regional Sudeste, no Rio de Janeiro, foi o primeiro a receber o sistema. Em seguida, foi a vez do Centro Nacional (CNOS) e do Centro Regional Norte/Centro-Oeste, ambos em Brasília. O Regional Nordeste, em Recife e o Regional Sul, em Florianópolis, receberam o sistema Reger no último quadrimestre de 2013.


O ONS começou a usar oficialmente o Reger para a supervisão e controle em tempo real do Sistema Interligado Nacional em dezembro de 2013, após conclusão de extensos Testes de Aceitação no Campo (SAT), que abrangeram a totalidade do sistema integrado nos cinco centros de operação do ONS.