• VOLTAR
  • IMPRIMIR
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel promove treinamento do Modelo DESSEM, que entrará em operação em 2019

Notícias

Cepel promove treinamento do Modelo DESSEM, que entrará em operação em 2019

15-03-2018

O Departamento de Otimização Energética e Meio Ambiente (DEA) do Cepel realizou, nos dias 18 e 31 de janeiro, na unidade Fundão, o “Treinamento DESSEM para validação pelos agentes no âmbito da Força Tarefa-DESSEM”. O modelo DESSEM, que pertence à cadeia de modelos de planejamento da operação energética desenvolvidos pelo DEA, tem como objetivo principal determinar a programação diária da operação e o preço da energia em base horária, com representação detalhada do sistema hidrotérmico e uma discretização temporal de até meia hora, com horizonte de até duas semanas.

 

 

Destinado a profissionais do setor elétrico, o curso contou com apoio do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Participaram do treinamento representantes de instituições de todo o país, como Vale, Petrobras, Brookfield, Cemig, além de Chesf, Furnas e Eletronorte, divididos em duas turmas. O objetivo foi capacitar os agentes a partir de conhecimento teórico e prático para o uso da ferramenta e realização dos testes de validação da Força Tarefa.

 

Responsável pelo treinamento, o pesquisador Tiago Norbiato, do DEA, apontou a importância da realização do curso. “O modelo DESSEM está previsto para entrar em operação em janeiro de 2019 e por isso esse curso é de extrema relevância. As empresas estão bastante interessadas em aprender a utilizar a ferramenta”.

 

 

Para o diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do Cepel, Raul Balbi Sollero, que participou da abertura da primeira turma, esse passo é um exemplo da importância que o Cepel dá à validação da determinação do preço da energia. “Esse é um momento muito importante para o Centro e todo setor elétrico porque o modelo traz uma mudança significativa da precificação da energia no país”, diz.

 

 

País passará a utilizar preço-horário de energia

 

Foi essa relevância que fez as duas turmas do curso reunirem cerca de 100 profissionais de todo o Brasil, cumprindo o objetivo proposto pela FT-DESSEM, força tarefa criada para a validação do DESSEM. A engenheira Regiane Baron, da CCEE, uma das coordenadoras da FT, falou sobre o treinamento. “A ideia é promover um contato maior dos agentes com o modelo DESSEM. Queremos que eles conheçam bem as funcionalidades que o modelo oferece para o cálculo do preço-horário”, explicou Regiane, que tem realizado testes contínuos de utilização do modelo.

 

O chefe do DEA, André Diniz, apontou o diferencial desse treinamento. “O destaque está na participação dos agentes na validação dos modelos. É importante que eles auxiliem o ONS e a CCEE na realização dos testes e possam conhecer melhor a ferramenta, a fim de se prepararem para o preço-horário que vai ser implementado”. Quem confirma isso é o engenheiro do ONS, Carlos Eduardo, também coordenador da FT, que fala sobre o papel da empresa na pesquisa e estudo desse projeto. “Participo deste projeto desde 2000, pois o ONS sempre achou importante que ele fosse adotado, o que deverá ocorrer com brevidade".

 

Ainda segundo Diniz, o modelo DESSEM atuará de forma integrada aos modelos NEWAVE e DECOMP, que atualmente já são utilizados oficialmente pelo ONS e a CCEE para o despacho da operação e formação do preço semanal de energia, em três patamares de carga.

 

 

Modelo está associado à programação diária da operação

 

Desde 1998, o Cepel realiza pesquisas e desenvolve modelos computacionais relacionados à Programação Diária da Operação (PDO) de sistemas de energia elétrica. O Projeto DESSEM tem como objetivo o desenvolvimento de metodologias e ferramentas computacionais que permitam, do ponto de vista teórico e prático, modelar e resolver o problema de otimização da operação diária de sistemas hidrotérmicos, considerando, da forma mais acurada possível, tanto aspectos relacionados à rede elétrica como aspectos relacionados à operação das usinas hidroelétricas, termoelétricas e demais componentes do sistema.

 

Inseridos neste projeto, desenvolvem-se ainda outros modelos de programas computacionais, como o DECODESS, que é um conversor de dados DECOMP-DESSEM; e o SIMHIDR, um simulador hidroelétrico que calcula o balanço hídrico das usinas hidroelétricas do sistema a partir de metas horárias de geração pré-estabelecidas.