• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Pesquisadores do Cepel abordam potencial das energias solar e eólica em Seminário UHE Formoso

Detalhes: Notícias

Pesquisadores do Cepel abordam potencial das energias solar e eólica em Seminário UHE Formoso

01-12-2020

Os pesquisadores do Cepel Ricardo Dutra e Leonardo Vieira participaram da terceira edição do Seminário Usina Hidrelétrica (UHE) Formoso, realizada virtualmente, no dia 25 de novembro, pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF). O evento teve o objetivo de ampliar o debate sobre geração de energia e usos múltiplos, com ênfase na própria Usina Hidrelétrica de Formoso, em processo de licenciamento para construção, no rio São Francisco, na altura do município de Pirapora (MG). As apresentações de Ricardo e Leonardo versaram, respectivamente, sobre o potencial das energias eólica, solar fotovoltaica e solar heliotérmica no Brasil, um dos focos dos trabalhos dos especialistas no Cepel.

 

De acordo com Leonardo, embora a energia solar heliotérmica ainda tenha custo elevado, é uma das alternativas que merecem ser avaliadas para o futuro, pois, através de um sistema de armazenamento térmico (com tecnologia já conhecida), é capaz de produzir energia a qualquer hora do dia, o que pode trazer benefícios para a estabilidade da rede elétrica e minimizar o efeito na rede da previsão do aumento da geração com fontes intermitentes e sem armazenamento, como as fontes solar fotovoltaica e eólica. O pesquisador acrescenta que o Cepel tem realizado estudos buscando avaliar os possíveis benefícios da inserção de usinas heliotérmicas no sistema elétrico brasileiro.

 

Neste contexto, Leonardo ressalta que a região de Petrolina, no interior do estado de Pernambuco, havia sido escolhida para receber a primeira usina solar heliotérmica no Brasil em função de estudo realizado pelo Cepel, em parceria com a Chesf, no âmbito de um convênio com o Ministério de Minas e Energia (MME). O pesquisador explica que, no estudo, foi levado em consideração que a planta a ser instalada, por ser de pequeno porte, 1 MWe, teria como principal objetivo a absorção da tecnologia e a disseminação do conhecimento sobre energia térmica concentrada no Brasil, não sendo, portanto, uma planta comercial.

 

“Foi feita uma hierarquização de várias localidades, levando em consideração não apenas aspectos de irradiação, mas, também, aspectos relacionados à infraestrutura, e a localidade de Petrolina foi a escolhida. Em função dessa escolha, lá foi implantado o CRESP - Centro de Referência de Energia Solar de Petrolina, que compreende, além da tecnologia heliotérmica, a tecnologia solar fotovoltaica. Embora estivesse previsto que a usina de Petrolina seria a primeira no Brasil, já existe uma outra, do mesmo porte, em estágio mais avançado de implementação, na localidade da UHE Porto Primavera, da CESP”, assinala Leonardo.

 

Já o pesquisador Ricardo Dutra abordou, em sua apresentação, a evolução tecnológica da energia eólica nos últimos 30 anos, destacando sua potência instalada no mundo e no Brasil, bem como os principais marcos regulatórios dos últimos 20 anos no país.

 

Ao final do evento, foi realizada uma sessão de perguntas para os palestrantes, com destaque para questões de usinas solares flutuantes em reservatórios de hidrelétricas, como uma das opções para múltiplos usos futuro para o reservatório da UHE Formoso.