• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Mesa Redonda sobre o SOMA, sistema de monitoramento de ativos do Cepel, foi destaque no 35º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos

Detalhes: Notícias

Mesa Redonda sobre o SOMA, sistema de monitoramento de ativos do Cepel, foi destaque no 35º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos

04-11-2020

O pesquisador do Cepel André Tomaz de Carvalho apresentou para mais de 200 expectadores do 35º Congresso Brasileiro de Manutenção e Gestão de Ativos, realizado em forma de webinar pela Abraman entre 25 e 30 de outubro, a arquitetura de manutenção 4.0 proposta no SOMA, plataforma web desenvolvida pelo Centro para gestão de ativos do setor elétrico. O SOMA é utilizado em várias empresas do setor, como Itaipu Binacional, onde integra o Matrix-UG, sistema de monitoramento e diagnóstico das 20 unidades geradoras da usina de Itaipu. Dentre os benefícios de sua utilização, destacam-se mais agilidade e precisão na identificação de anormalidades e prevenção de defeitos e, consequentemente, maior disponibilidade dos ativos monitorados.

 

“Foi uma experiência muito interessante poder apresentar e discutir o SOMA com uma audiência bem mais ampla, que transcende as fronteiras do setor elétrico, incluindo diversos setores da indústria, inclusive representantes do setor de óleo e gás, onde vislumbramos um grande potencial de aplicação deste produto do Cepel”, ressaltou André Tomaz, que também é gerente do SOMA.

 

A apresentação de André Tomaz compôs a mesa redonda “SOMA: Indústria 4.0 aplicada à gestão de ativos de geração”, realizada no último dia do Congresso, e que também contou com a participação dos engenheiros José Quirilos Assis, de Itaipu Binacional, e Yuri Sefrin, da empresa AIS Ambientes Virtuais, que, junto com o Parque Tecnológico (PT) de Itaipu pelo lado Brasil, foi responsável pelo desenvolvimento da IHM-3D dos geradores de Itaipu integrada à instalação do SOMA na usina. A mesa foi coordenada pelo superintendente de Manutenção de Itaipu, Marco Aurélio S. Mauro.

 

Como assinalou André Tomaz, a arquitetura do sistema baseia-se na aplicação dos quatro pilares da Indústria 4.0 ao monitoramento e diagnóstico da condição dos ativos monitorados: Internet das Coisas Industrial (IIoT), Réplicas Digitais (Digital Twins), Inteligência Artificial e Manufatura Aditiva. Com isso, segundo o pesquisador, é possível enfrentar o grande desafio das empresas na gestão de seus ativos, que é traduzir dados de monitoramento em informações realmente úteis para a tomada de decisão por parte dos gestores de manutenção.

 

José Quirilos Assis, coordenador do projeto Matrix-UG e responsável pela implantação do monitoramento das unidades geradoras de Itaipu através do SOMA, relatou a experiência da empresa na adoção da solução do Cepel, contando com a colaboração ativa dos PTs de Itaipu e empresas parceiras, como a AIS. Segundo ele, hoje, o sistema está preparado para receber 32 sinais de vibração por máquina, bem como sinais de descargas parciais, e as perspectivas de utilização do SOMA são promissoras, tanto na inclusão de novas funcionalidades, quanto na expansão para outros tipos de ativos, como o próprio monitoramento da barragem da usina.

 

Já o engenheiro Yuri Sefrin explicou o processo de integração de réplicas digitais estruturais dos geradores à plataforma web do SOMA, por meio das quais os engenheiros são capazes de navegar e interagir com os modelos tridimensionais das máquinas, permitindo a visualização, em tempo real, dos sinais de monitoramento do sistema no ambiente virtual. De acordo com Yuri, isto traz mais eficiência à comunicação entre pessoas e máquinas. O engenheiro afirmou que a expectativa é que novas funcionalidades interativas, como exibição de informações preditivas da máquina e mapa de calor animado, possam ser desenvolvidas a partir da integração dos modelos 3D.

 

O evento teve duração de 2h e, ao final, o público pôde fazer perguntas e interagir com os participantes. O pesquisador André Tomaz afirmou que “poder dividir este tipo de apresentação com a visão de uma empresa parceira e com a experiência do próprio cliente final, que atesta a qualidade e os benefícios da solução desenvolvida, foi muito interessante.”