• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel testa nova versão do SAGE, sistema de gerenciamento de energia mais utilizado no Brasil

Detalhes: Notícias

Cepel testa nova versão do SAGE, sistema de gerenciamento de energia mais utilizado no Brasil

08-04-2020

O Cepel está finalizando etapa de testes de uma nova versão do SAGE, sistema aberto de gerenciamento de energia mais utilizado no Brasil, com mais de 1400 instalações em todo o país. A versão 28-7 tem complexidade considerável. Alterações no modelo de dados da base de tempo real do SAGE e a inclusão de funcionalidades especiais para atender a solicitações de vários clientes, em particular à Cemig GT, cujo projeto de substituição do atual sistema no centro de controle está em pleno desenvolvimento.

 

Estas alterações demandam cuidado especial. “Desta forma, optamos por uma fase extra de consolidação da nova versão por meio de testes em clientes selecionados antes de distribuirmos para os clientes em geral. A utilização de plataformas de desenvolvimento das empresas permite que condições mais realistas que aquelas simuladas em plataforma no Cepel possam ser avaliadas e certificadas”, ressalta o pesquisador Ayru Leal de Oliveira Filho, chefe do Departamento de Automação de Sistemas do Cepel.

 

De acordo com Ayru, alinhado com a estratégia de manutenção evergreen estabelecida para a plataforma SAGE desde sua concepção, a equipe do SAGE está continuamente atualizando o software, corrigindo falhas e introduzindo novas funcionalidades. “Isso tem permitido que clientes do SAGE usufruam de uma plataforma confiável, madura, que sempre apresente novas funções a cada versão lançada e, obviamente, mantenha a compatibilidade com os sistemas em operação”, assinala.

 

A pesquisadora Juli Ling Ching Huang, que integra a equipe de desenvolvimento do SAGE, comenta que o processo de testes da plataforma para que uma nova versão completa possa ser publicada é bastante complexo. “São dezenas de módulos e aplicações integradas na plataforma e que precisam ser testadas isoladamente, e em conjunto com todo o sistema. Este processo consome entre um e três meses de trabalho, dependendo da complexidade das atualizações implantadas”.

 

Juli acrescenta que, durante este período, existe intensa cooperação entre a equipe de desenvolvedores e a equipe de testes e suporte do SAGE. “Hoje, este time de testes conta com quatro colegas que trabalham com dedicação na montagem de plataformas de testes, condução dos testes padronizados, reporte de falhas e retestes, até que um padrão de qualidade seja atingido e que permita a publicação de uma nova versão. Romaika Milagres, Lucas Rosalino, Ithalo Conceição e Edgard Ribeiro compõem este time e estão colaborando neste processo, remotamente, durante nosso período de afastamento do Cepel”, afirma.

 

Novas funcionalidades da versão 28-7

 

Dentre as novas funcionalidades da versão 28-7, podem-se citar: módulos para atender ao TopSim, simulador digital de redes elétricas para treinamento de operadores; versão nova do SAGE-Manobra (Pyhon3/Qt5, melhorias após feedback de usuários); uso do TimescaleDB pelo SAGE-Histórico; recursos para merge da base fonte do SAGE (função auxiliar para preenchimento da base EMS); adaptações diversas para atendimento aos requisitos da CEMIG GT; alarmes temporizados (On-Delay) para pontos analógicos e digitais (solicitação da CGT Eletrosul); melhorias na configuração de alarmes persistentes (solicitação da SAESA - Usina de Santo Antônio); novos métodos OPCUA; visualização e controle do número de acessos OPC UA; incorporação do servidor UA Server e do modelador UA Modeler no kit de instalação do SageOpcUaBrowser (no site); versão Linux do Kit de instalação do SageOpcUaBrowser, UA Server, UA Modeler; nova metodologia para cálculo da rede elétrica equivalente nos grupos de geradores no SAGE-EMS; novos módulos traduzidos para o espanhol; e incorporação de diversas correções e pequenos desenvolvimentos para atendimento ao REGER (Rede de Gerenciamento de Energia), sistemas de supervisão, controle e gerenciamento de energia do ONS.