• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel representa o Brasil em reunião da Organização Mundial da Saúde

Detalhes: Notícias

Cepel representa o Brasil em reunião da Organização Mundial da Saúde

30-05-2019

De 27 a 29 de maio, o Cepel representou o Brasil em reunião anual do Conselho Consultivo (International Advisory Committee - IAC) do Projeto “Campos Eletromagnéticos”, da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Genebra, Suíça. Participaram da reunião representantes de mais de 30 países.
 


O IAC reúne-se, anualmente, desde 1994, passando a contar com a participação do Brasil em 2004. À época, o Ministério de Minas e Energia (MME) designou o Cepel para fazer esta representação e, desde 2010, a tarefa está a cargo do pesquisador Luis Adriano Cabral Domingues, que assinala a relevância desta participação para o setor elétrico brasileiro.

 


“Na iminência da publicação de uma norma de exposição a campos eletromagnéticos pela OMS, a atuação do Brasil no Conselho Consultivo é especialmente importante pela repercussão que essa norma terá no setor elétrico brasileiro. Como, no país, o assunto é regido por lei federal ( Lei 11.934/2009) e regulamentado por Resoluções Aneel, que determinam a aplicação dos limites apontados pela OMS, esta repercussão é mandatória e imediata”, afirma o pesquisador.

 


De acordo com Domingues, um dos principais tópicos discutidos nas sessões da reunião diz respeito à elaboração do “WHO Standard”, documento que regulamentará a exposição humana a campos eletromagnéticos. Ele explica que, no estágio atual, está sendo desenhada uma importante mudança no processo tradicional de estabelecimento de limites fixos para um sistema de gestão compartilhada de responsabilidades entre governo, empresas e trabalhadores.

 


Outro ponto evidenciado nas sessões foi a questão da exposição ocupacional, tema em que o Brasil se destaca, de acordo com o pesquisador, por já desenvolver no Cepel projeto institucional para as empresas Eletrobras, focado na busca de soluções para situações de exposição ocupacional elevada.

 


Também estiveram em pauta pesquisas em curso relacionadas a campos de baixa frequência e campos de radiofrequência, atividades desenvolvidas por universidades e instituições colaboradoras, como o IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers), IARC (International Agency for Research on Cancer), ILO (International Labour Organization) e ICNIRP (International Commission on Non-Ionizing Radiation Protection) e normas internacionais de proteção contra radiações não ionizantes, dentre outros.