• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel realiza entregas à CPAMP referentes à consideração da tendência hidrológica anual recente nos modelos NEWAVE e DECOMP

Detalhes: Notícias

Cepel realiza entregas à CPAMP referentes à consideração da tendência hidrológica anual recente nos modelos NEWAVE e DECOMP

13-04-2020

No dia 31 de março, o Cepel disponibilizou à CPAMP – Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico, da qual o Centro participa como assessor técnico, a versão 30.2 do modelo DECOMP. A nova versão contém a consideração, na função de custo futuro (FCF) lida por este modelo e fornecida pelo modelo NEWAVE, de um termo adicional referente ao impacto da tendência hidrológica anual recente no valor da água. Esta implementação viabiliza a realização de testes integrados utilizando os modelos NEWAVE e DESSEM, que fazem parte da cadeia de modelos utilizada oficialmente no planejamento da operação e determinação do preço de energia no mercado de curto prazo.


“Embora a tendência hidrológica seja modelada de forma mais contundente no modelo NEWAVE, é fundamental esta simulação integrada com os dois modelos, tanto para o despacho, quanto para a formação do preço, e também para a realização do chamado “backtest”, que considera um conjunto de deck de dados oficiais dos modelos, para determinadas janelas de tempo do histórico mais recente, avalia o pesquisador André Diniz, chefe do Departamento de Otimização Energética e Meio Ambiente do Cepel, que participou do desenvolvimento da nova versão do modelo DECOMP. Segundo André, essa simulação permite verificar como se comportaria a operação individualizada do sistema e o preço de liquidação de diferenças no passado recente, caso esta metodologia já estivesse incorporada nos modelos.


Este termo adicional incorporado na nova versão do DECOMP é oriundo de uma metodologia denominada “Modelo Autorregressivo Periódico com Componente Anual – PAR-A(p)”, baseada em séries temporais, desenvolvida pelo Cepel e implementada na versão 27.1 do modelo NEWAVE e na versão 8.1 do modelo GEVAZP, entregues à CPAMP em janeiro e fevereiro de 2020, respectivamente.


Segundo André, a metodologia está descrita no relatório técnico “Proposta Metodológica para Aprimoramento da Memória de Modelos Autorregressivos Periódicos”, também disponibilizado pelo Cepel à CPAMP no último dia 31 de março. Para finalizar o ciclo de entregas referente à nova funcionalidade, está prevista a disponibilização, ainda em abril, de outro relatório técnico, descrevendo a construção desse termo referente à tendência passada anual no algoritmo de Programação Dinâmica Dual Estocástica (PDDE), empregada no modelo NEWAVE.


Sobre a nova funcionalidade


De acordo com a pesquisadora Maria Elvira Maceira, gerente do Projeto NEWAVE e que coordenou o desenvolvimento da nova funcionalidade, tem-se verificado, nos anos recentes, um comportamento atípico das afluências em algumas regiões do Brasil: a região Nordeste e parte da região Sudeste têm experimentado um período de seca prolongado, enquanto parte da região Sul tem atravessado um longo período de chuvas. “Durante este período, a média dos cenários sintéticos de afluências mensais gerados pelo modelo PAR (p) tem apresentado o prognóstico usual de retorno à média histórica, aproximadamente em alguns meses, embora o regime incomum persistisse. Esse comportamento indicou que o modelo de séries temporais PAR(p) poderia ser aprimorado para incorporar mais memória nos cenários de afluências gerados”, ressalta a pesquisadora.


Segundo Maria Elvira, o aprimoramento se deu pela inclusão de um novo termo na equação de autorregressão de cada período sazonal, dado pela média das 12 últimas afluências. “Os resultados obtidos mostraram que a inclusão deste novo termo na equação de autorregressão periódica – modelo PAR-A(p) melhorou, de fato, a memória do modelo PAR (p) original e conseguiu reproduzir, com mais acurácia, a função de autocorrelação mensal das afluências, com benefício na melhoria da qualidade da otimização do despacho da operação e na função de custo futuro entregue para o modelo DECOMP”, complementa.


A entrega da nova funcionalidade nos modelos NEWAVE e GEVAZP e do seu rebatimento no modelo DECOMP atende ao cronograma do subgrupo de Representação Hidrológica, do Grupo de Metodologia da CPAMP para o ciclo 2019/2020, e que contempla a validação dos aprimoramentos nos modelos incialmente previstos para entrada em vigor a partir de janeiro de 2021.


Também participaram desse desenvolvimento os pesquisadores Jorge Damázio, Cristiane Cruz, Albert Melo e André Diniz, pelos projetos NEWAVE e GEVAZP, e a pesquisadora Lílian Brandão, gerente do Projeto DECOMP. O colaborador da PUC, Felipe Treistman, atualmente engenheiro do ONS, também teve participação relevante no desenvolvimento da metodologia.