• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel participa de estudo para promoção da eficiência energética em edificações no Brasil

Detalhes: Notícias

Cepel participa de estudo para promoção da eficiência energética em edificações no Brasil

21-08-2020

O Cepel participou da elaboração da Nota Técnica “Ações para promoção da eficiência energética nas edificações brasileiras: no caminho da transição energética”, recém -divulgada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O estudo, desenvolvido em conjunto com a consultoria Mitsidi, cooperação técnica da GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit), e pelos consultores Sascha Gajewski e Florian Geyer, destaca o conjunto de etapas, governança, potenciais de economia de energia e os custos associados a cada ação proposta para implantação de ações de eficiência energética no setor de edificações, responsável por cerca da metade do consumo de energia elétrica no Brasil.

 

O documento reitera o potencial da eficiência energética no atendimento às necessidades da sociedade, reduzindo impactos no meio ambiente, incentivando um setor intensivo em geração de empregos qualificados e, muitas vezes, sendo um vetor de estímulo à inovação tecnológica e social. O recurso é considerado, portanto, uma alternativa à transição para sistemas energéticos de baixo carbono, sendo reconhecido, em âmbito internacional, por publicações da Agência Internacional de Energia, do Energy Information Administration/U.S. DOE e da ODYSSEE-MURE. No Brasil, a relevância da eficiência energética para o planejamento energético é ratificada em estudos governamentais, como o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE), o Plano Nacional de Energia (PNE) e o Plano Nacional de Eficiência Energética (PNEf).



De acordo com a Nota Técnica, no horizonte decenal brasileiro, espera-se que o setor de edificações possa aportar cerca de 60% dos ganhos totais de eficiência energética no uso de energia elétrica. Como o setor é intensivo em mão de obra, o documento também aponta que as ações de eficiência energética podem contribuir para a retomada econômica pós-pandemia, gerando competitividade, estruturando serviços para atendimento do mercado de edificações eficientes e criando um ambiente propício para inovações nos campos tecnológico, jurídico-regulatório e de modelos de negócios.

 

Também contribuíram para o estudo o Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel), da Eletrobras, da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento (Abrava), e do Grupo de Trabalho de Uso Eficiente de Energia em Edificações (GT Edificações).

 

Clique aqui para conferir a íntegra da Nota Técnica.