• VOLTAR
  • Imprimir
  • ENVIAR
  • A+ A-
Cepel classifica dois projetos na I Olimpíada Nacional de Inovação das Empresas Eletrobras

Detalhes: Notícias

Cepel classifica dois projetos na I Olimpíada Nacional de Inovação das Empresas Eletrobras

26-10-2020

O Cepel teve dois projetos selecionados na primeira Olímpiada Nacional de Inovação das Empresas Eletrobras, realizada na primeira semana de outubro. O projeto Metodologia de Aceleração e Monetização de Produtos Tecnológicos Desenvolvidos dentro das Empresas Eletrobras, liderado pelo pesquisador Elber Vidigal Bendinelli, ficou em primeiro lugar. Já o projeto Sistema de Business Analytics para apoio à gestão e à tomada de decisão, liderado pelo pesquisador André Emanoel Rabello Quadros, alcançou a 4ª colocação. O resultado final da Olimpíada foi anunciado no dia 20 de outubro, quando os projetos classificados no DemoDay (09/10) foram reavaliados por nova banca de jurados, após ajustes que viabilizassem a implantação do Mínimo Produto Viável (MVP) no período de seis semanas, quando ocorre a oficina de prototipação.

 

O diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do Cepel, Maurício Barreto Lisboa, tece considerações a respeito da participação dos colaboradores do Centro no evento e dos ganhos resultantes. “A velocidade de transformação necessária para que o Cepel se mantenha sempre na vanguarda do desenvolvimento de soluções tecnológicas passa obrigatoriamente pela mudança cultural em cada um de nós, em reconhecermos que precisamos sempre nos descontruir para nos reconstruirmos em bases muito mais adequadas às necessidades impostas pelos novos tempos (e, assim, a instituição como um todo). Com todos os participantes que conversei durante e após estas fases do evento, identifiquei uma enorme vontade de fazer diferente e melhor o que já fazem tão bem hoje em dia e da satisfação por serem apresentados a ferramentas e conceitos que certamente propiciarão isso. Acredito que o grande resultado dessa olimpíada para o Cepel foi essa chama acesa em cada um deles, e que cabe a nós, gestores, alimentá-la ainda mais e fazer com que ela se propague. Parabéns a cada um dos nossos representantes que, mais uma vez, demonstraram que inovar está no DNA do Centro”.

 

O pesquisador do Cepel Fábio Cavaliere participou da banca de jurados no dia 20 de outubro Ele comenta a respeito. "Gostaria de iniciar, parabenizando o desempenho excepcional das duas equipes que foram, merecidamente, premiadas nesta I Olimpíada Nacional de Inovação da Eletrobras. Destaco a importância da conquista em função do alto nível das ideias e trabalhos apresentados por todos os concorrentes, o que evidencia a seriedade e aplicação dedicadas a este desafio”. Fábio elogia, ainda, a qualidade e a clareza das apresentações, totalmente enquadradas no propósito e regras da competição, além da pertinência das ideias propostas no que se refere ao retorno para o Cepel e para todas as empresas Eletrobras. “Fiquei muito satisfeito em observar a alegria de todos, o espírito de equipe, além da sinergia entre os dois grupos do Cepel”.

 

O espírito da Olimpíada e o DemoDay

 

A Olimpíada Nacional de Inovação das Empresas Eletrobras teve como objetivo preparar e incentivar a execução de projetos inovadores liderados pelos colaboradores das empresas Eletrobras e do Cepel, por meio da identificação de problemas ou oportunidades de soluções. “É, sobretudo, um programa de desenvolvimento organizacional [...] para desenvolver empresas, a cultura, o relacionamento entre os colegas e a forma de pensar. Esse programa estimula duas coisas: o intraempreendedorismo e a inovação aberta”, ressaltou o mediador do DemoDay, Thiago Peixoto, gerente de Desenvolvimento e Inovação de Furnas. Ele explicou que esta I Olimpíada teve como base a experiência de sucesso da empresa na execução de cinco ciclos do programa Inova Furnas. A iniciativa já formou 63 multiplicadores e implementou 32 projetos, que, juntos, deram um retorno de mais de R$ 5 milhões à empresa até junho de 2020.

 

De acordo com Thiago, a Olimpíada seguiu o aprendizado andragógico, que confia na capacidade de o indivíduo tomar as melhores decisões para si e para o grupo, e o Learning by doing, ou seja, a filosofia de aprender fazendo, também conhecida como Project Based Learning (PBL). Os participantes do evento foram formados e capacitados em diversas metodologias, como Design Thinking, Lean Startup e Psicologia da inovação, em um formato bootcamp, um intensivo de alto impacto. A partir daí, puderam propor, executar e coexecutar projetos ou apostas de inovação e se autoavaliar, sendo os protagonistas de todo o processo.


"Além do reconhecimento interno e da premiação simbólica, os inovadores finalistas têm a chance de fundar uma startup a partir da aceleração de seus projetos. Isso é possível por meio da Power Ventures, iniciativa inédita de Venture Building, que desde fevereiro de 2020 está preparando quatro colaboradores de Furnas para se tornarem CEOs de suas próprias startups. Essa oportunidade é considerada pelos colaboradores como a melhor premiação possível e vai além de uma simples divisão de royalties, o que era até então tida como a forma mais moderna de premiação”, acrescentou Thiago.

 

Na abertura do DemoDay, Luiz Augusto Pereira de Andrade Figueira, diretor de Gestão e Sustentabilidade da Eletrobras, fez uma avaliação da Olimpíada. “A inovação é um dos valores importantes na estratégia que a gente quer construir, no novo perfil de pessoas. Este tipo de olimpíada, competitiva, só acrescenta. É o tipo de evento em que todos saem ganhando. [...] Tivemos 198 inscritos e 40 selecionados. [...] Foram 173 problemas, oportunidades; 364 ideias, 16 grupos e 10 finalistas”, destacou. Segundo Luiz Augusto, a Olimpíada foi um sucesso e pode trazer soluções importantes para o Grupo Eletrobras. A pretensão é realizar outras edições do evento, “para cada vez mais modelar este espírito inovador, porque de fato isso é uma competência para qualquer novo profissional: a possibilidade de sair da caixinha, de uma visão míope, de não enxergar possibilidade de ir além [...] O profissional do futuro é o inovador, é o que cria, o que traz soluções”, complementou.



Durante o DemoDay, os 10 projetos finalistas foram apresentados à banca de jurados, composta por representantes das empresas Eletrobras e do Cepel, e ao público em geral. Cada equipe teve 3 minutos para explicar seu projeto, seguindo a metodologia lean startup. Os projetos foram avaliados segundo critérios como: O problema apresentado estava claro? O problema estava recortado de uma forma que pudesse ser desenvolvido em forma de projeto? A solução apresentada se encaixava com o problema? Ela estava recortada no escopo MVP? Os seis selecionados neste dia disputaram uma das quatro vagas da oficina de prototipação, que acontecerá durante seis semanas, até o final de novembro.

 

A pesquisadora Marta Olivieri, assessora da Diretoria de P&D+I do Cepel, foi uma das juradas do DemoDay. Ela se surpreendeu com a qualidade e a diversidade dos projetos apresentados. Marta ressalta: “Eles tiveram tão pouco tempo para estruturar os projetos: apenas 4 dias. Havia projetos de logística, de engenharia e de gestão, e todos eram ótimos e foram muito bem apresentados. Conheço o trabalho dos cinco participantes do Cepel: André, Elber, Isaac, Juan e Oscar e sei que eles atendiam a todos os requisitos para participar da Olimpíada de Inovação. São proativos, trabalham bastante e com energia e são protagonistas de mudanças. Os resultados da Olimpíada não só evidenciaram a qualidade dos colaboradores que temos no Cepel e nas empresas Eletrobras mas também demonstraram como técnicas para aprimoramento de estratégias para lidar com problemas e desafios podem potencializar o desempenho dos nossos já talentosos colaboradores.”

 

Projeto Metodologia de Aceleração e Monetização de Produtos Tecnológicos Desenvolvidos dentro das Empresas Eletrobras

 

Liderado por Elber Vidigal Bendinelli, o projeto contou com a participação de Isaac Lima Cardoso do Nascimento (Cepel), Juan Ignácio Patrício Rossi Gonzalez (Cepel) e Darilena Porfirio (Eletronorte). Eles afirmam que uma das motivações para a proposição do tema foi o fato de acreditarem no potencial dos produtos tecnológicos desenvolvidos dentro do Grupo Eletrobras e, principalmente, dentro do Cepel.

 

“Existem muitos produtos maduros tecnologicamente de excelência, fruto de projetos de P&D que estão com o potencial subaproveitado. Nossa ideia foi de acelerar esses produtos tecnológicos (softwares, hardwares, sistemas e sites) já desenvolvidos para que eles possam ser monetizados externamente à Eletrobras, gerando receitas para a instituição inventora através do pagamento de royalties, com grande potencial para aumentar as receitas do Cepel. Além disso, promover um aumento de escala e de visibilidade dentro do grupo Eletrobras dos produtos desenvolvidos pelo Cepel, aumentando o resultado das equipes de pesquisa, sem demandar investimentos financeiros diretos”, contextualizou Elber. O pesquisador afirmou que, em um levantamento rápido, a equipe verificou mais de 50 produtos tecnológicos disponíveis, maduros para serem utilizados.

 

Para solucionar o problema, o grupo propôs uma metodologia de Aceleração e Monetização de Produtos Tecnológicos. Primeiramente, precisariam de um edital Eletrobras de prospecção de produtos e depois da contratação de uma empresa aceleradora. Em seguida, há necessidade de priorizar os produtos e, após isso, construir uma definição de mercado para, finalmente, lançar os pilotos.

 

Com o apoio de uma consultoria externa, o primeiro passo do projeto será a implantação de um piloto de aceleração e monetização do Sistema Indicadores de Gestão da Sustentabilidade (IGS) do Cepel. Segundo a equipe, este é um exemplo de produto tecnologicamente maduro, já amplamente utilizado pelas empresas Eletrobras, e com grande potencial para ser licenciado para empresas do setor elétrico e de outros setores da economia.

 

“Independentemente de qualquer resultado, vou levar tudo o que aprendi nesses sete dias [da Olimpíada] para minha vida, e isso vai mudar minha forma de pensar”, avalia Elber. Ele afirma que, durante o evento, a todo momento, os participantes foram retirados de suas zonas de conforto e estimulados a pensar diferente, atuar em equipe e quebrar paradigmas. “A metodologia de Design Thinking prega planejamento rápido, ideação, execução e erro calculado. Um erro pequeno pode ser corrigido rápido e com baixo custo, levando a um aprendizado enorme. Algo muito diferente do que estamos acostumados com projetos muito complexos, longos e detalhados”, acrescenta.

 

Juan Ignácio também comenta sobre a experiência proporcionada pela Olimpíada. “Tivemos acesso a informações sobre Design Thinking e Psicologia da Inovação, que são tópicos que eu desconhecia e me pareceram bastante úteis, especialmente para o trabalho no Cepel. O contato com os demais envolvidos e o trabalho em grupo foram muito gratificantes. Agradeço muito ao Cepel pela oportunidade”.

 

Isaac complementou. “Aprendemos e recebemos suporte, em um formato bootcamp, de Design Thinking, Lean Startup e Psicologia da Inovação. Se eu tivesse que escolher uma coisa aprendida nesse evento para levar para a minha vida, profissional e pessoal, certamente seria a ideia do erro calculado. Quando fazemos algo de novo, estamos sujeitos a erros, a falhas, e isso leva muitas pessoas a resistirem às mudanças, a estacionarem em suas zonas de conforto. A ideia do erro calculado que vem com o Design Thinking nos ajuda a entender que errar faz parte, só não podemos ficar parados”.

 

Projeto Sistema de Business Analytics para apoio à gestão e à tomada de decisão

 

O projeto foi liderado por André Quadros e contou com a participação de Oscar Antonio Solano Rueda (Cepel), de Carolina Ornelas (Furnas) e Edgar dos Reis (Chesf). Segundo eles, empresas inovadoras utilizam ferramentas analíticas em suas estratégias de negócios. “Os dados das empresas Eletrobras possuem informações valiosas que podem oferecer oportunidades de otimizar e automatizar processos e obter insights para as tomadas de decisão. No entanto, atualmente, muitos destes dados estão difusos em arquivos, planilhas, softwares e bancos de dados”, afirmam.

 

Como solução, a equipe propõe a utilização de um Enterprise Data Hub para conectar as diferentes fontes de dados das empresas, redefinir os dados para utilização de forma analítica e formatá-los em padrões para apresentação em dashboards. De posse desses dados, é possível identificar padrões, outliers e fazer correlações entre variáveis, fornecendo uma análise descritiva dos dados aos gestores. Além disso, serão incorporadas à solução previsões de comportamento e tendências baseadas nos dados históricos, que servirão de apoio para identificar oportunidades, riscos e gerar cenários futuros, auxiliando os gestores em suas decisões e na definição dos planos de ação.

 

“O projeto se propõe, no seu estágio final, a centralizar informações de diferentes fontes de dados da empresa, como SAP, IGS, planilhas Excel, software, e desenvolver uma ferramenta web para analisar esses dados através de dashboards e utilização de técnicas de Machine Learning e Inteligência Artificial para gerar os insights da empresa. O destaque do projeto é propor uma aplicação relevante e tangível no contexto da Eletrobras dos conceitos de Business Analytics, Enterprise Data Hub, Machine Learning e Inteligência Artificial, dos quais se fala muito, mas cuja aplicação, muitas vezes, parece distante”, elucida André.

 

O pesquisador acrescenta que o MVP será viabilizado por meio do trabalho da própria equipe da Olimpíada, com suporte de um consultor SAP. “Acreditamos que este MVP forneça uma visão inicial do potencial deste sistema para as diferentes áreas das empresas, além de alavancar a implantação de uma solução de Enterprise Data Hub existente no mercado, que deverá ser adquirida de uma empresa profissional na área”, conclui.

 

Sobre a experiência da Olimpíada, André comenta: “A princípio, não acreditei ser possível criar, em quatro dias, uma proposta de projeto baseada nas necessidades de um cliente e estabelecer tarefas a serem entregues em seis semanas de trabalho. Mas, sim, foi possível, e fiquei impressionado com a qualidade das propostas apresentadas por todos os participantes. Interagir com 40 pessoas de todas as empresas, em diferentes áreas do negócio, e com ideias tão brilhantes, foi muito inspirador. Percebi que a inovação está em nosso DNA, e que os empregados têm muitas ideias de valor que devem ser disseminadas aos gestores das empresas. [...] Estou muito motivado para aplicar e difundir essa forma de trabalho em projetos no Cepel”.

 

Oscar Solano também avalia a participação na Olimpíada e a aplicação do aprendizado no Cepel. “Como pontos altos, posso destacar a aprendizagem “mão na massa” de conceitos relativos ao Design Thinking, a interação com outros colaboradores das empresas Eletrobras e o treinamento psicológico que recebemos. A experiência foi bastante intensa. [...] Saí da Olimpíada motivado e com vontade de trazer o que aprendi para meu contexto no Cepel. Acredito que a metodologia de análise de problemas/ formulação de soluções trabalhada durante o evento possa ser aplicada na definição de linhas de pesquisa do laboratório que gerencio [Redes Elétricas Inteligentes].”

 

A pesquisadora do Cepel Katia Cristina Garcia, gerente do projeto IGS, com o qual ambos os projetos do Centro relacionam-se de forma mais ou menos direta, também dá sua opinião. “Estou muito satisfeita e empolgada com o resultado da I Olimpíada Nacional de Inovação das Empresas Eletrobras! A primorosa participação do Cepel demonstra nossa capacidade de inovação, de gerar ideias melhoradas ou totalmente novas para responder a demandas ou oportunidades do mercado, atreladas aos objetivos estratégicos das empresas.”

 

Katia complementa: “O fato de os projetos liderados pelo Cepel terem alcançado a 1a e 4a colocação e estarem relacionados ao IGS é ainda mais gratificante, propiciando uma grande oportunidade de alavancarmos ideias e planos que estavam guardados na gaveta, esperando o lugar e a hora certos para serem anunciados. O apoio que teremos no desenvolvimento dos projetos premiados certamente trará um retorno imenso para o Cepel e para as empresas Eletrobras. O IGS será apenas o primeiro projeto a passar pela "Metodologia de Aceleração e Monetização de Produtos Tecnológicos Desenvolvidos dentro das Empresas Eletrobras". A ideia é que os resultados sejam ampliados para muitos outros projetos de P&D+I, e estou certa de que isto será um marco para a Eletrobras e mais ainda para o Cepel. Não é à toa que este projeto conquistou o 1o lugar na Olimpíada. Eu o vejo como o primeiro passo para um novo caminho, um novo tempo, uma forma mais dinâmica de nos colocarmos no mercado e garantirmos que nossa missão, de potencializar o retorno à sociedade dos resultados das pesquisas e serviços realizados pelo Cepel.”, finaliza.


A pesquisadora Marta Olivieri complementa: “Nesse mundo cheio de mudanças e de avanços de tecnologias, onde a agilidade das respostas e soluções se torna cada vez mais vital para qualquer empresa e, em especial, para um centro de pesquisas, temos nos deparado com muitos desafios. Temos consciência de que precisamos responder a esses desafios de forma rápida. Sabemos que precisamos aprimorar nossa gestão de projetos e de negócios e ampliar nossa atuação com apoio de parcerias. Sabemos que temos que ouvir cada vez mais nossos clientes, entendendo que além de clientes são nossos parceiros, no sentido de que ouvindo suas opiniões e feedbacks, e entendendo suas demandas, vamos agregar cada vez mais valor não só aos nossos produtos como também ao negócio deles. É por isso, que eventos como esse da Olimpíada da Inovacao são fundamentais nessa estratégia de respostas rápidas e adaptação a esse novo mundo dinâmico. Espero que venham outras Olimpíadas e que possamos ter muitos colaboradores participando e se potencializando.”

 

Além dos projetos Metodologia de Aceleração e Monetização de Produtos Tecnológicos Desenvolvidos dentro das Empresas Eletrobras e Sistema de Business Analytics para apoio à gestão e à tomada de decisão, serão prototipados os projetos Valorize e se (Chesf) e Geração de Hidrogênio Verde em Angra dos Reis (Eletronuclear), que alcançaram a segunda e terceira colocações, respectivamente.